Electron

Sobre o que escrever? Sei lá. Só sinto essa vontade, quase uma compulsão, de encher o espaço em branco da tela. De registrar meus pensamentos. Veja que não é encher a folha de papel. Pegar uma caneta. Apesar de ter sido ensinado com papel e caneta eu sempre ansiei pela facilidade do teclado. É quase como uma dança. O complexo ritual que realiza a mágica de colocar impulsos cerebrais, descargas elétricas na carne, em palavras, em ideias. Fazemos isso de forma automática e não paramos para pensar no que está acontecendo. É preciso alguns milhões de anos de evolução para que uma “dancinha de dedos” sobre o plástico das teclas resulte em ideias expressadas. Escrever textos, em termos evolutivos, já é um milagre por si. Colocá-los em 0 e 1 e despachá-los por aí é outro milagre. Começa com uma descarga elétrica na cabeça, passa pelos dedos, vira um registro, e explode na tela, viaja por descargas elétricas, se mostra por descargas elétricas. Quem copiou quem?